Buscar
  • Gogo Cristo Neto

Ansiedade: O que é e como controlar - Um caso pessoal


Agora, enquanto escrevo, ouço RHCP, mais precisamente a musica Under the Bridge. Lembrei de quando tocava na noite, era tão legal mas sempre que paro pra pensar, lembro de algumas coisas e começo a dar uma nova tratativa para o que senti.

Imagina um cenário de noite, de bar (não barzão de pinga, um bar de família, com pratos legais pra comer e diversão), um monte de gente junta, um banheiro mega apertado e som alto. Claro que tinha comida boa e cerveja gelada, e som alto rs.

Durante muito tempo, creio que cerca de 20 anos, eu toquei na noite (tocava bateria em uma banda de soul e pop) e sempre, sempre tinha que sair correndo em algum momento pra ir ao banheiro. Muitas vezes eu sentia dores imensas mas o engraçado é que quando estava passando o som, normalmente á tarde (os shows eram as 21 e a passagem de som as 14), eu não tinha a tal dor de barriga, secura na boca, tremedeira...

Olha que engraçado, eu sentia TUDO que falei acima cerca de uma hora antes do show. O dia de show (que era todo fim de semana) era perdido por um motivo: eu tinha que ter meu ritual pra relaxar e chegar na hora do show menos tenso.

Passei por isso por anos como disse. Anos. Fui diagnosticado com fobia social, síndrome de pânico e cheguei a tomar tanto remédio que ficava catatônico. Um cara ativo, que se mexia pra caramba e com menos de 25 anos, totalmente zumbi... um absurdo.

Enfim, levei essa vida por anos.

Depois de entrar na faculdade, a realidade era a mesma. Eu ia pra faculdade e corria pro banheiro. Me privada de absolutamente todo programa social. Além da falta de grana, eu perdia a vontade já que tinha que ter um banheiro por perto sempre e gente, época de faculdade não existe “dignidade” nas saídas, era só doideira rs.

Fui me fechando... fechando... e achei que não tinha solução, que nunca poderia pegar um avião pra longe ou até mesmo dirigir entre onde morava e a capital (uma hora de carro).


O começo da solução


Em 2015 minha mãe faleceu e isso mexeu muito comigo. Fui obrigado a ir pra estrada mais longe, pegar transito e etc e isso por amor a algo, a algo maior: minha mãe. Eu queria ver ela bem mas não rolou e ela veio a falecer muito rápido de um câncer metastático.

Depois disso, meio que fiquei sem chão e percebi que não tinha mais controle de nada, que talvez nunca tivesse tido controle. Isso meio que me deixou no chão e entendi, a partir de la, que não adiantava ficar pensando no “e se ficar longe de banheiro”.. eu faria na calça, no chão, em qualquer lugar. Era tão simples..

Minhas idéias foram mudando, afinal de contas eu NUNCA (generalizando) ficava longe de banheiro desde sempre (sim, desde moleque).

Em 2016 eu comecei a estudar coisas que sempre tive como hobby como a mente humana e pasme, encontrei uma formação em coaching e fiz.

Eu me deparei com tantos “porquês” que o pensamento no futuro, os “e se” foram sumindo. Cheguei num ponto de entender que todo mundo sente ansiedade por algum motivo, qualquer um que seja, e eu ali poderia sentir tudo aquilo sem me culpar. Doido né?

Depois disso, de entender que meu corpo reagia à minha idéia de não controlar o futuro, comecei a deixar as coisas fluírem.

Hoje eu fico ansioso as vezes mas entendi que isso acontece por um motivo bem especifico: Foco excessivo no futuro e na perda de controle da situação. Como quando eu ia tocar na noite e não poderia sair de lá de modo algum pra ir a um banheiro fora (até porque os banheiros naquela época não eram tão limpos).


Como sair da ansiedade


Bom, a primeira coisa a fazer é identificar alguns padrões que criam a ansiedade tá? A primeira coisa é a sua perda de foco no agora. É impressionante como quando estamos ansiosos, vivemos o momento do futuro e na real, isso não tem lógica. Sim, a situação do futuro existe só dentro da nossa mente e como ela que cria nossa realidade, isso se torna real. Mas se torna real num ponto que tudo que imaginamos é sentido pelo corpo, então fica uma outra dica ai, TUDO que seu corpo sente por causa da visualização é real. Lide com isso, sua mente é sensacional.

A segunda coisa que você deve identificar é a sua respiração. Quando estamos ansiosos, ela vem “do alto”, como se seu pescoço quisesse respirar igual seu nariz. Deu positivo? Tenta respirar com a barriga. É, isso mesmo: com a barriga. Joga o ar lá em baixo e mexe essa pancinha ai. Você vai perceber que a respiração vai ficando mais espaçada, mais longa e harmoniosa. O oxigênio para de vir “picadinho” (da respiração curta na ansiedade) e isso promove uma saúde imensa, tanto física quanto mental.

A terceira coisa que você pode identificar são os efeitos físicos e ai vou dar uma explicação com base na fisiologia. Seu corpo reage automaticamente ao que você pensa e quando você usa emoção nessa visualização, sua mente cria uma “realidade paralela”. Essa realidade é tão verídica que seu corpo a entende, no caso da ansiedade, como uma espécie de ataque e instintivamente seu mecanismo de “luta, fuga, congelamento e fingir de morto” entra em ação. A função deste mecanismo é simples: Te deixar vivo durante um ataque. É, seu corpo é impressionante. Sei disso rs. Então quando você se ve numa situação onde há um “ataque”, uma situação de perigo REAL (lembra do banheiro? Aquilo pra mim era sobrevivência), você reage a isso paralisando ou correndo. Talvez agora você esteja lembrando de um monte de situações onde isso já aconteceu e ó, tá tudo bem. Você está aprendendo sobre você mesma e isso é legal demais. Suadouro, visão turva, aquela vontade de sair correndo... PARA, senta e se tiver alguém perto, pede pra ficar de olho em você SEM invadir seu espaço. É importante saber que tem alguém ali pra você caso você precise. E respire.

Olha esse passo a passo legal pra te ajudar na crise de ansiedade: 1 – Identifique os sinais; 2 – Sente-se ou pare o carro num lugar seguro; 3 – Respire prestando atenção na sua respiração, em como o ar entra e sai das narinas; 4 – Deixa o ar ocupar mais espaço quando entra e sai, aumenta o fluxo dele e procura preencher “espaços vazios” quando sentir ele entrar; 5 – Se a respiração estiver alta, lembre de jogar pra barriga como uma criança faz. Respirar na barriga. 6 – Talvez surjam inúmeros pensamentos ou não. SE surgirem, perceba que todos, todos são criações imediatas da sua mente que não consegue sair do “loop” de ansiedade. Ajuda ela, deixa os pensamentos virem e “expulsa” eles pelo nariz. É sério, do mesmo modo que sua visualização criou a ansiedade, ela pode expulsar. 7 – Cerque-se de coisas boas e calmas como musica e cheiros. SE estiver no carro, ouve new age ou musica de relaxamento. No momento que você tá saindo da crise, todo estimulo é MUITO importante, então deixa sempre aquela playlist da “Enya” na mão. 8 – Entenda que você não é anormal, que todo mundo que tira sarro ou faz brincadeira com a situação não sabem (não fazem idéia) de que tudo aquilo que você sente é real. Ignora e se precisar explodir com alguém, faça. Não precisa mais guardar nada, você tá se libertando!!! 9 – Repita o exercício de “inspirar – preencher espaços vazios – deixar o ar carregar tudo de ruim – soltar o ar com as sujeiras” quantas vezes for necessário. 10 – Este ponto é importante pra manutenção: Sempre que você superar uma crise de ansiedade, seu corpo começa a “devolver” o controle pra você. Vai chegar um momento em que você simplesmente não vai mais ligar pra alguns pensamentos e eles não voltarão por muito, muuuuito tempo. Este “enfrentamento” e “dessensibilização” são fundamentais pra que você se conheça e se conecte com você mesma.

Espero que você fique bem e saiba que se precisar, eu estou a sua disposição pra ajudar com a ansiedade ou outro quadro que te incomode. Um abração.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo